Press Release

2013: O ano que a armazenagem baseada em Software mudará os Centros de Processo de Datos

Por George Teixeira, Presidente e CEO da DataCore Software

Durante o 2012, vimos os primeiros passos em uma tentativa de definir as arquitecturas do software de armazenagem. Isso provocou uma serie de tendências cruciais que estão remodelando e que tem um importante impacto no mundo da armazenagem empresarial, preparando o cenário do ano 2013 para que converta-se no ano em que a armazenagem baseada em software mudará os Datacenters.

A mudança do hardware para um modelo baseado em um software de virtualização,  apoia as missões cruciais das aplicações do negócio que mudou a criação da  arquitectura dos computadores, redes e dos níveis de armazenagem, passando de ser “estáticas” a “dinâmicas”. O Software define as bases da agilidade, interacção dos usuários e a construção de uma infra-estrutura virtual a longo prazo, que se adapta as mudanças. O objectivo final é aumentar a produtividade do usuário e melhorar a experiencia da aplicação.

Tendência #1: As aplicações nivel 1 virtualizão-se e o rendimento é crucial

Os esforços para virtualizar ainda mais o data center continuam, e vemos um aumento ainda maior da mobilização das aplicações de nível 1 (ERP, databases, sistemas de e-mail, OLTP etc.) em direção às plataformas de virtualização. Os factores chaves que impulsarão esta mudança são os económicos, assim como a obtenção de uma melhor produtividade. 

Sin embargo, os principais obstáculos para a virtualização das aplicações de nível 1 estão em grande medida relacionadas com a  armazenagem.

Transferir o armazenamento intensivo das cargas de trabalho para máquinas virtuais (VMs) pode ser de grande impacto para o rendimento e a disponibilidade. Por tanto, o armazenamento deve ser sobre-abastecido e de grande tamanho. Além do que, a medida que o negocio se consolida nas plataformas virtuais, devem gastar mais para alcançar os altos níveis de redundância e continuidade do negocio; sem contar com as preocupações relacionadas com o rendimento e os engarrafamentos. 

Os altos custos e a complexidade da sobre dimensão eliminam os benefícios e põe o armazenamento em um túnel sem saída.  Com estos pontos em mente, as empresas e  os departamentos IT buscam um enfoque mais inteligente, com uns custos mais rentáveis, ao dar-se conta de que acrescentar “mais hardware ao problema” não é a  solução mais prática. 

Tendência #2: As tecnologias SSD flash serão utilizadas em qualquer lugar, o armazenamento não é somente para os dispositivos de disco 

Outra grande tendência relacionada com a virtualização das aplicações de nível 1 é a proliferação das tecnologias baseadas em SSD flash. A razão é simples, os discos de armazenamento são dispositivos mecânicos de rotação e não tão agis como aqueles baseados em memorias electrónicas de alta velocidade. 

As memorias flash estiveram ao nosso arredor durante anos, ao princípio eram uma solução excessivamente cara para a sua adopção. Mesmo assim, são mais custosas que a rotação dos dispositivos hardware, seu uso massivo em tablets e celulares estão conduzindo a abaixar o seu precio. Inclusive assim, a tecnologia flash desgasta-se, e um  uso continuado devido a que as aplicações que se reescrevem continuamente podem impactar na sua vida útil.

Se os dispositivos flash são uma parte inevitável do nosso futuro e necessitam ser incorporados na nossa visão da arquitectura futura, a economia nos conduz a um mundo que precisa de diferentes níveis de armazenagem, baseados em memorias  menos caras e direccionada a discos menos lentos. Isto, porém, aumenta a demanda das empresas em quanto a utilização de um software de auto-tiering, capaz de optimizar o rendimento a um  preço atractivo através da mudança de datos com uma solução do nível mais rentável, que proporcione  ao mesmo tempo um rendimento aceitável.

Tendência #3: Mais armazenagem requer mais automatização 

Existe uma demanda constante e insaciável que requer mais capacidade de armazenagem de datos, esta demanda segue crescendo mais de 50 por cento ao ano. Porém, a necessidade não se concentra unicamente em mais discos hardware para satisfazer a capacidade  neta. Em seu lugar, os usuários querem automatização, gestão automática de armazenagem, escalabilidade, provisões rápidas, grande rendimento, e mais altos níveis de continuidade do negocio.

Uma vez mais, necessita-se um “software inteligente” para simplificar e automatizar a gestão da armazenagem.

Tendência #4: A definição da arquitectura do software de armazenagem importará mais que o hardware

Essas tendências – e melhoras TI para os usuários, fazem com  que a armazenagem hardware seja intercambiáveis com infra-estruturas virtuais – teremos um profundo impacto  sobre como pensamos, compramos e utilizamos o armazenamento. Em 2013 em diante, as tecnologias TI necessitarão incorporar o software de armazenagem definitivamente como um elemento essencial dos data centers.   

Devido a que os usuários TI das companhias actuais estão acostumadas a rápida e dinâmica sociedade actual, não podem ver-se presos em arquitecturas rígidas de hardware por cabo. A infra-estrutura se constrói sobre três pilares: computação, redes e armazenamento – e em cada uma de elas, as decisões relacionadas com o hardware serão secundarias e virão ditadas pelo software e impulsodas pelas aplicações.

É evidente que o grande sucesso de VMware y Microsoft Híper demonstram que a virtualização dos servidores oferecem um valor convincente. Da mesma forma que a armazenagem hipervisor e a virtualização a nível de armazenamento, são fundamentais para desbloquear as cadeias do hardware que foram uma âncora para a armazenagem da próxima geração dos centros de datos.

Tendência #5: A definição da arquitectura do software de armazenagem  cria a necessidade de um hipervisor de armazenagem

O mesmo pensamento que mudou nossos pontos de vista sobre o provedor, é necessário para redireccionar a armazenagem; e o software inteligente é o catalisador. Em resumem, o papel principal do hipervisor de armazenagem é virtualizar os recursos de armazenagem para conseguir os mesmos benefícios – agilidade, eficiência e flexibilidade – características que proporcionam a tecnologia do híper visor aos processadores e memorias.

Este ano, o software pegará seu correcto lugar na mesa e começarão a transformar nossa visão sobre a armazenagem.

O objectivo final: Uma melhor experiencia através da aplicação definida pelo software de armazenagem.

A virtualização mudou a informática e as aplicações que dependemos para administrar os nossos negócios. Ainda assim, o armazenamento empresarial e a nuvem estão dominados pela mentalidade física, e definidos pelo hardware. Temos que mudar nossa forma de pensar e considerar como a armazenagem afecta a experiência da aplicação e ver como a armazenagem definida pelo software, com serviços de armazenagem e características disponíveis para toda empresa e não só incrustado em um dispositivo de hardware central.

Porquê comprar um hardware específico somente para obter a função de um software? Porquê limitar uma função a uma única plataforma frente ao seu uso em toda empresa? Esse é um pensamento antigo, anterior a virtualização, assim é como a industria de servidores funcionava. Hoje em dia, com VMware o Hyper-V, pensamos em como desdobrar as máquinas virtuais versus “se estão executando em um sistema Dell, HP, Intel o IBM?”

A armazenagem está passando por uma transformação similar, no próximo ano, será o software inteligente a qual liderará a industria hacia sua evolução, que estará definida mundialmente pelo software.

George Teixeira é CEO e presidente de DataCore Software. A companhia de software que actua como plataforma de infra-estrutura para solucionar o grande problema do estancamento da armazenagem, mediante a eliminação das iniciativas da armazenagem relacionadas com as barreiras que fazem da virtualização um processo difícil e caro.

Sobre DataCore Software

DataCore Software é o fabricante pioneiro na industria do software para a virtualização do armazenamento. Seus programas são especializados em criar plataformas de infra-estruturas, solucionam grandes problemas que freiam as iniciativas de virtualização, eliminando as barreiras e obstáculos que fazem da virtualização um processo demasiado difícil e custoso. Miles de organizações IT que dispõem de estruturas medias o grandes, assim como diversas empresas globais, utilizam o software de DataCore para proteger a seus datos, reduzir riscos e estender a vida útil de sua inversão, convertendo suas estruturas de armazenamento existentes em um entorno de armazenamento robusto e capaz de responder as suas necessidades. DataCore se concentra em uma crescente demanda de armazenamento e a proliferação de máquinas virtuais e escritórios, oferecendo um alto rendimento e uma disponibilidade incomparável, capaz de suportar uma infra-estrutura IT ágil, resistente e rentável. Para mais informação, visite el site: www.datacore.com

DataCore e o logo de DataCore são marcas comerciais registradas por DataCore Software Corporation. Qualquer outro produto de DataCore o nomes de serviços o logos mencionados são marcas de DataCore Software. Todos os demais produtos, serviços e nomes de companhias mencionadas aqui são marcas registradas de seus respectivos proprietários.


DataCore Software Corporation
publicrelations@datacore.com 
Sebastien Loisy
Country Manager España y Portugal
Mobile: +34 608 089 781
Email: sebastien.loisy@datacore.com


Sede Central:


Data Core Software Corporation
publicrelations@datacore.com
Said Boukhizou
Technical Account Manager – Francia y España.
Mobile: +33 6 80 64 78 66
Email: said.boukhizou@datacore.com


Contactos Editoriais:


Alemania – Konzept PR / KPR Global Communications
Michael Baumann, PR Director
T.: +49-821-343000
mbaumann@kprglobal.com


España – BlaNZ Marketing y Comunicación, S.L. for Konzept PR / KPR

Rafaela Almeida – Marketing & PR Manager
Rambla de Catalunya 120 4º 4ª
08008 – Barcelona
T.: +34 93 528 57 89
Fax: +34 93 528 76 13
prensa@blanz.es
www.blanz.es